" Este espaço busca estimular o diálogo e a troca de conhecimentos. Os textos publicados abaixo não representam a opinião da CONAMP. A responsabilidade é do autor da mensagem. Para publicar o seu artigo, envie o documento para imprensa@conamp.org.br. "

Segunda, 26 Junho 2017 15:46

Ministério Público forte, sociedade protegida

Escrito por Norma Cavalcanti

Publicado no dia 25 de junho de 2017 no blog do Fausto do Macedo do Estadão. Disponível em: http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/ministerio-publico-forte-sociedade-protegida/

Prestes a completar 30 anos de sua promulgação, a Constituição Federal de 1988 traçou um grande projeto para a construção de um Estado Democrático de Direito, embasado sob a primazia das leis e a garantia dos interesses sociais e individuais indisponíveis. Entre tantos pilares, também foi determinado que esta forma de Estado não deveria, jamais, permitir qualquer contradição entre o seu texto, medidas jurídicas e os princípios de Justiça.

Para tornar possível o pleno exercício da democracia, a Carta Magna instituía, também, um novo papel ao Ministério Público: guardião da democracia, protetor da ordem jurídica, órgão autônomo e independente, titular único da ação penal.

Passadas quase três décadas, o MP tem prestado um grande serviço ao País, não apenas no combate à corrupção – como muitos tem percebido diante de grandes ações que repercutem diariamente no noticiário nacional – mas, também, na garantia de direitos dos cidadãos, em áreas fundamentais como educação, saúde, segurança, meio ambiente, entre outras.

No âmbito dos estados, procuradores e promotores de Justiça desempenham funções essenciais à sociedade e também estão à frente de importantes investigações, fazendo cumprir o seu papel de fiscalizar o Estado e proteger o interesse público.

 No entanto, mesmo diante da necessidade premente de atuação do Ministério Público, sua autonomia institucional vem sendo constantemente ameaçada. Na contramão do que a sociedade espera, diversos projetos e propostas sugerem alterações na legislação com o intuito de enfraquecer o papel do MP, retaliando aqueles que trabalham incessantemente contra a impunidade e em defesa da ordem jurídica e do regime democrático.

Há exatos quatro anos, a sociedade foi imprescindível na rejeição da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 37/2011, que também ficou conhecida como a PEC da Impunidade. Manifestantes tomaram as ruas por todo o País pedindo o arquivamento da proposta. Juntamente com a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp), diversas entidades apoiaram a campanha “Brasil contra a impunidade”, alertando os cidadãos e parlamentares de que uma possível aprovação somente beneficiaria criminosos.

O texto que representou uma das mais graves ameaças à autonomia e ao poder investigatório do Ministério Público tramitava na Câmara dos Deputados à época e foi rejeitado pelo plenário por 430 votos contrários e 9 favoráveis, além de duas abstenções. Se aprovado, o poder de investigação criminal seria retirado de promotores e procuradores do MP. Grandes operações contra à corrupção que hoje são amplamente noticiadas não existiriam.

Apesar dessa importante vitória, o atual cenário político nos coloca em total estado de alerta. Os interesses políticos têm sido colocados acima da lei. O descontentamento daqueles que estão sob investigação ou que poderão vir a ser investigados resultam em inúmeros ataques às carreiras do MP.

O projeto que propõe alterações à Lei de Abuso de Autoridade é apenas mais um exemplo dessa retaliação. Recentemente, a proposta chegou à Câmara. Depois de muita discussão e uma atuação incansável da Conamp para sensibilização dos parlamentares quanto aos riscos da proposta, o texto que tramita agora talvez seja menos danoso que a proposta inicial discutida no Senado Federal – que criminalizaria juízes, promotores e procuradores tão somente pelas condutas próprias de suas funções.

É lamentável que, no momento em que a sociedade clama pelo fortalecimento das instituições de combate aos mais diversos crimes e à impunidade, em especial aos ligados à corrupção, lance-se mão de propostas como essas, cujo efeito mais deletério, sem dúvida, será o de permitir e estimular a utilização do direito penal como instrumento de inibição e vindita contra os agentes do Estado encarregados de fiscalizar e fazer cumprir a Constituição Federal e as leis do País.

Somente com um Ministério Público forte, a sociedade estará protegida. Enterrar a PEC 37, sem dúvida, é motivo de comemoração. Mas, ao olhar para o horizonte, sabemos que o caminho ainda é incerto. As ameaças são muitas. Precisamos estar vigilantes.

*Presidente da Associação dos Membros do Ministério Público (Conamp). Formada em Direito pela Faculdade Católica de Salvador, com especialização em Processo pela Universidade Federal da Bahia, é ex-coordenadora do Centro de Apoio das Promotorias Criminais da Bahia, presidiu a Associação do Ministério Público do Estado da Bahia (2005/2007-2007/2009-2011/2013) e, em 2010, compôs a lista tríplice, como candidata mais votada, para Procuradoria-Geral da Bahia. 

 

Gostou deste artigo?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM

ASSOCIAÇÕES AFILIADAS



 

CONAMP Notícias

Quer ainda mais novidades? Assine nossa newsletter!

Loading, please wait..