" Este espaço busca estimular o diálogo e a troca de conhecimentos. Os textos publicados abaixo não representam a opinião da CONAMP. A responsabilidade é do autor da mensagem. Para publicar o seu artigo, envie o documento para imprensa@conamp.org.br. "

Sexta, 14 Dezembro 2018 09:54

Ministério Público: a jabuticaba que deu certo

Escrito por Victor Hugo Azevedo

Texto publicado originalmente no portal Jota no dia 14 de dezembro de 2018. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/ministerio-publico-a-jabuticaba-que-deu-certo-14122018

O Ministério Público à moda brasileira, forte, independente, com múltiplas funções, e que comemora hoje (14/12) sua data nacional, é modelo genuíno no âmbito do direito comparado. No campo da informalidade linguística, poderia ser tratado como a jabuticaba, que se transforma em metáfora para ressaltar fenômenos que só acontecem no Brasil.

O principal traço de similaridade não poderia ser outro: a incomparável ousadia em ser adequado às próprias necessidades da terra de onde brota. Assim como a natureza nativa criou a jabuticaba, a partir da fértil terra argilosa genuinamente “brazuca”, o atual Ministério Público brasileiro se originou de uma necessidade real do País e do seu povo. O regime de força instaurado em 1964 havia se esgotado. A nação queria democracia e uma estrutura pública capaz de fiscalizar a adequação das ações oficiais aos comandos emergentes da livre manifestação da sociedade, no ambiente político; e das leis, no ambiente jurídico-social.

Assim, durante a Assembleia Nacional Constituinte, a restauração democrática e as aspirações populares de liberdade e de justiça social impulsionaram os movimentos institucionais e classistas em prol da formatação de um novo MP.

Seguindo essa linha, possível aventar que haja confusão no uso da metáfora da jabuticaba. Na maioria das vezes ela é aplicada para se referir negativamente a iniciativas tipicamente brasileiras. Uma fruta tão excepcional não deveria ser símbolo das nossas frustrações e desencantos enquanto Nação, mas das nossas ações e aspirações mais positivas.

E é, sem dúvida, com esse olhar que foram solidificadas como principais atribuições do novo Ministério Público a guarda e a proteção do estado democrático de direito e dos valores republicanos. O combate à corrupção e a todas as formas de crimes se mantém como batalha perene para transformar o País em um lugar melhor. Sabemos que o momento é de renovar forças e esperanças e, mais uma vez, procuradores e promotores de Justiça reforçam o seu papel de defender a sociedade, frente ao compromisso de não permitir retrocessos na garantia dos direitos coletivos e individuais.

Ao longo dos últimos 30 anos, esses compromissos estiveram presentes nas ações empreendidas pelos mais de 15 mil membros das carreiras ministeriais no Brasil.

Como instituição responsável por promover a responsabilidade penal de autores de crimes, utilizamos também essa expertise para formular propostas para o aperfeiçoamento da ordem jurídica, em especial do processo penal brasileiro – tanto no campo da celeridade e efetividade do sistema – a exemplo da sugestão de medidas como o plea bargain (espécie de acordo entre o MP e o acusado), melhor regulamentação do foro especial, da lei de execuções penal, entre outros, como no do efetivo combate às organizações criminosas e à toda forma de criminalidade.

No balanço dos 30 anos da Constituição Federal, é verdade, ainda encontramos o grande desafio de consolidar o Ministério Público exatamente como idealizado pelos autores da Carta de 1988. É preciso trabalho árduo e incessante na garantia do cumprimento deste importante documento que, acima de tudo, deu origem ao modelo de um MP forte e independente.

Olhar tudo isso desapaixonadamente nos revela o quanto precisamos nos manter vigilantes contra quaisquer ameaças que possam esvaziar os avanços conquistados.

Os últimos anos foram marcados por ataques contra o Ministério Público e seus membros. Prerrogativas e funções institucionais próprias foram postas em xeque. Durante o período eleitoral, chegou-se a cogitar de terminar com a autonomia da Instituição, prerrogativa imprescindível ao exercício de nossas funções, e cuja principal beneficiada é a própria nação brasileira.

Importante anotar: na comemoração de nossas funções, não poupamos esforços para que o processo eleitoral recém ultimado concretizasse a realização de um dos direitos sociais primários: a escolha de governantes por meio do voto livre, direto e universal. Todas as questões decorrentes do processo eleitoral foram solucionadas em tempo oportuno, apesar da complexidade e do momento conturbado. Essa foi uma grande vitória do sistema de justiça eleitoral, para o qual o MP muito contribuiu.

Nesse dia Nacional do Ministério Público, reafirmamos o compromisso de perseverar na defesa da manutenção de uma ordem democrática e dos grandes avanços sociais e institucionais proporcionados por leis como a da “Ficha Limpa”, de combate ao crime organizado, de tutela do meio ambiente, dos direitos e interesses dos hipossuficientes, e tantas outras que propiciam a evolução da sociedade brasileiro.

Mas é importante lembrar, o Ministério Público, a jabuticaba que deu certo, precisa ser fortalecido, para que possa continuar correspondendo às aspirações, confiança e expectativas da sociedade brasileira.

VICTOR HUGO AZEVEDO – presidente da Associação dos Membros do Ministério Público (CONAMP). Promotor de Justiça, formado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul.

Gostou deste artigo?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM

ASSOCIAÇÕES AFILIADAS



 

CONAMP Informa

CONAMP Notícias

Quer ainda mais novidades? Assine nossa newsletter!

Loading, please wait..