" Este espaço busca estimular o diálogo e a troca de conhecimentos. Os textos publicados abaixo não representam a opinião da CONAMP. A responsabilidade é do autor da mensagem. Para publicar o seu artigo, envie o documento para imprensa@conamp.org.br. "

Segunda, 22 Abril 2019 10:31

Reforma da Previdência: ao servidor público, ódio ou compaixão, ao governo, as batatas

Escrito por Enéias Xavier Gomes

 

Artigo publicado originalmente na edição nº 27 da revista Conceito Jurídico

Ainda no espocar dos foguetes e rufar dos tambores anunciando 2019, o Governo Federal apresentou a Proposta de Emenda Constitucional nº 6, alterando todo o sistema previdenciário dos setores público e privado. De longe, a pior proposta dentre as inúmeras que já circularam no âmbito do Congresso Nacional nos últimos anos.

Ao propagar a proposta, seus autores bradaram aos quatro cantos a necessidade de aprovação na íntegra, em regime de urgência, como a única solução e necessária para salvar o país, levando-o de um estado de falência a outro de abundância. Não bastasse a fórmula que traria tranquilidade ao país, inocentemente mágica, tal qual o Imperador que, ao mandar banir as tempestades de seu reino, voltou a dormir tranquilamente, apresenta-se argumentos fáceis, mas de pouca dura. Faltou explicar, por exemplo, as razões pelas quais a União retirou do Regime Geral de Previdência Social/RGPS elevadíssimas receitas decorrentes da Desvinculação de Receitas da União-DRU que perfazem cifras trilionárias, além das renúncias fiscais. Aliás, valores tão expressivos que jamais poderiam ser ocultados em qualquer explicação minimamente séria, pois útil à formação da opinião pública. Curioso ainda que a animação indiscreta do Governo não se revelou em relação ao déficit do Regime dos Militares, cujas regras são absolutamente mais vantajosas. A razão é uma (suposto déficit), mas o tratamento é diferente.

Mas saltemos por cima de tudo isso. Fiquemos nos supostos vilões: os servidores públicos.

Setores do Governo contam em voz alta que a aposentação do setor público é um privilégio e seriam eles os responsáveis, os algozes de todos os males do Brasil. Todavia, antes da formação de qualquer juízo, é bom compreender o que se passa na vida como ela é. Desconfiar, como está lá, em Grande Sertões: Veredas, “Quem desconfia, fica sábio!”

Há três regimes de aposentadoria no serviço público.

Aposentadoria integral e paritária para os que ingressaram até a Emenda Constitucional 41 (1º de janeiro de 2014), desde que cumpridos os requisitos de 60 anos idade para homem e 55 para mulher, com 35 anos de contribuição para os homens e 30 para as mulheres, 20 anos de serviço público, 10 anos de carreira e cinco anos no cargo (art.6 da EC 41).

Regime de média para os que ingressaram no serviço público entre a vigência da Emenda Constitucional 41 e a efetiva oferta do regime complementar previdenciário (no âmbito da União, em 4 de fevereiro de 2013), em que se calcula a média simples atualizada das 80% maiores remunerações.
E, por fim, os que ingressaram após a adoção do regime complementar, os quais se sujeitam ao teto do Regime Geral de Previdência, podendo aderir a um plano complementar co-contributivo, em sistema típico de capitalização.

Portanto, ao contrário do que propagado por inadvertidos, os servidores federais e os estaduais nos entes que já implementaram o regime complementar, ao ingressarem no serviço público, já estão sujeitos ao teto do Regime Geral de Previdência.

Os demais, sujeitos ao teto de R$ 39.239,32, contribuem com um valor 6,72 vezes maior que o teto da aposentadoria do setor privado, hoje fixado em R$ 5.839,45. Assim, o servidor que se aposenta no teto do regime público, o que é uma raridade, contribui mensalmente com R$ 4.316,33 (adotada a alíquota de 11% sobre o salário, caso da União e maioria dos estados), valor 6,72 vezes maior que a contribuição máxima do setor privado, fixada em R$ 642,34. Da mesma forma, o teto da aposentadoria do setor público é 9,09 vezes maior que sua contribuição, valor idêntico ao setor privado. O mesmo parâmetro é utilizado para a fixação das contribuições daqueles que se aposentarão pelo regime de média.

Dos dados acima, o caso é simples. Há uma absoluta proporção em termos de contribuição e aposentadoria no setor público e privado. A diferença é que um contribui sobre o teto do Regime Geral de Previdência – RPPS e o outro sobre o do Regime Geral de Previdência Social – RGPS. Leia-se, um servidor federal que receba R$ 39.239,32 paga a título de previdência R$ 4.316,33, já o trabalhador da iniciativa privada que receba o mesmo valor paga a título de previdência R$ 642,34.

Estaríamos, pois, em uma situação de igualdade? Seguramente que não. O servidor público e seu pensionista, acaso recebam acima do teto do RGPS, continuam contribuindo com a previdência social mesmo após se aposentar. E as diferenças não param por aí. O limite mínimo de idade para a aposentadoria (60 anos homens e 55 mulheres) deve ser aliado ao mínimo de 35 anos de contribuição para os homens e 30 para as mulheres, além da exigência de 10 anos de serviço público e cinco anos no cargo. Já no setor privado, a aposentadoria pode ser obtida com 35 anos de contribuição para homens e 30 para as mulheres. A disparidade fica clara se analisarmos um servidor público que comece a trabalhar aos 18, pois se aposentará apenas aos 60 anos, ao passo que o da iniciativa privada se aposentará aos 53 anos.

Veja-se o surrealismo relatado: ao invés de analisar o valor efetivamente contribuído, o Governo tenta desconsiderar os valores pagos por décadas, não só aumentando a idade mínima para a integralidade e paridade para 65 anos se homem e 62 se mulher, sem qualquer regra de transição, mas também tentando criminalizar os servidores públicos.

Lembro uma passagem contada por Machado de Assis, em Quincas Borba:

Supõe tu um campo de batatas e duas tribos famintas. As batatas apenas chegam para alimentar uma das tribos, que adquire forças para transpor a montanha e ir à outra vertente, onde há batatas em abundância; mas, se as duas tribos dividem em paz as batatas do campo, não chegam a nutrir-se suficientemente e morrem de inanição. A paz, nesse caso, é a destruição; a guerra é a conservação. Uma tribo extermina a outra e recolhe os despojos. Daí a alegria da vitória, os hinos, aclamações, recompensas públicas e todos os demais efeitos das ações bélicas. Se a guerra não fosse isso, tais demonstrações não chegariam a dar-se, pelo motivo real que o homem só comemora e ama o que lhe é aprazível ou vantajoso, e pelo motivo racional de que nenhuma pessoa canoniza uma ação que virtualmente a destrói. Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.”

É nesse estado que nos vemos espantados diante das falácias propagadas, criando uma guerra contra os servidores públicos, a qual seria necessária para a conservação das finanças públicas. Busca-se transpor a montanha à custa do aniquilamento de contribuições fartas e rigorosamente pagas em dia, por décadas, lesando cláusulas pétreas, numa pseudo luta do bem contra o mal, fazendo com que a realidade se atropele debaixo de lendas. Por tudo isso, nas ofuscas lentes da PEC 06/2019, poderia dizer o atemporal bruxo do Cosme Velho: ao servidor público, ódio ou compaixão, ao Governo, as batatas...

ENÉIAS XAVIER GOMES é Presidente da Associação Mineira do Ministério Público, Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais, Mestre em Teoria Geral do Delito e Doutor em Direito Penal Contemporâneo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e membro da Conamp (Associação Nacional dos Membros do Ministério Público)

Gostou deste artigo?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM

ASSOCIAÇÕES AFILIADAS



 

CONAMP Informa

CONAMP Notícias

Quer ainda mais novidades? Assine nossa newsletter!

Loading, please wait..