" Este espaço busca estimular o diálogo e a troca de conhecimentos. Os textos publicados abaixo não representam a opinião da CONAMP. A responsabilidade é do autor da mensagem. Para publicar o seu artigo, envie o documento para imprensa@conamp.org.br. "

Domingo, 22 Março 2020 10:10

Covid-19: o compromisso do Ministério Público com a sociedade e o propósito de cooperar para a superação da pandemia

Escrito por Manoel Murrieta

Artigo originalmente publicado no Estadão no dia 22 de março de 2020. Disponível em: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/covid-19-o-compromisso-do-ministerio-publico-com-a-sociedade-brasileira-e-o-proposito-de-cooperar-para-a-superacao-da-pandemia/

A condição de isolamento social já esteve presente no imaginário literário de José Saramago. O escritor português narrou, em Ensaio sobre a Cegueira, uma “treva branca” que paralisou a sociedade e revelou traços obscuros da humanidade. Um enredo crítico, que nos convida a refletir sobre valores e relações, com uma profunda mensagem final de superação. Na vida real, curiosamente, vivemos um tempo igualmente distópico onde a população se vê na urgência de ressignificar a prática da solidariedade como meio para sobreviver e ajudar outras pessoas a se manterem vivas.

Em tempo de pandemia de coronavírus, a quarentena é a alternativa para alcançarmos essa almejada superação e, portanto, deve ser cumprida por todos. A responsabilidade é coletiva: está nas mãos de cada cidadão brasileiro a chance de evitar o contágio e mortes em massa, como tem ocorrido em outros países. Em sentinela, a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) acompanha, ao lado do órgão federal e nos estados, a cada caso que, de algum modo, possa ameaçar ou ferir os direitos difusos e coletivos nesse momento de crise. Felizmente, as autoridades se comprometeram a esclarecer a população sobre a doença e dispor todo aparato em saúde necessário para diagnóstico e tratamento. E a população, por sua vez, em sua maioria recolhida em seus lares, tem contribuído a frear a disseminação do vírus. Com as devidas medidas de prevenção, vamos superar juntos essa calamidade.

Com o avançar da covid-19 no Brasil, gradualmente, empresas públicas e privadas foram fechando as portas. Ministérios, órgãos públicos e entidades aos poucos anunciaram a adoção do trabalho feito de casa. Estão autorizadas a sair às ruas apenas profissionais que atuem em serviços essenciais e que exijam a presença física. A regra é evitar aglomerações e tentar barrar possíveis contágios fora de controle. Já que o afastamento é a melhor forma de prevenção, a Conamp também já havia solicitado, por meio de ofício ao presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o procurador-geral Augusto Aras, a adoção do sistema de rodízio e home office nos órgãos do MP como um meio de proteção. A definição veio na quinta-feira (19/3), por meio da Portaria nº 76 da Procuradoria-Geral da República.

A palavra da vez passou a ser “trabalho remoto” e, assim, seguimos a todo o vapor com a nossa missão de proteção dos direitos dos cidadãos. Recentemente, com um olhar especial lançado para as comunidades de favelas e periferias, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) do Ministério Público Federal (MPF) solicitou ao Ministério da Saúde um planejamento sobre o atendimento dessas famílias durante esse período. O órgão também questionou à Fundação Nacional do Índio (Funai), à Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), ao Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio) e à Secretaria de Saúde em Santarém (PA) a respeito da proteção dos povos indígenas da região. No entanto, o MPF sugeriu que não seja empregado o contato com índios que vivam em afastamento voluntário da sociedade. E a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) também entrou na mira, tendo sido oficiada pelo órgão para manter o atendimento aos usuários, mesmo aqueles que estiverem inadimplentes.

Na Paraíba, o MP cobrou da administração pública a adoção de medidas preventivas, como a restrição de circulação de pessoas, e a divulgação constante de informações sobre a situação dos hospitais. No Rio de Janeiro, o Ministério Público analisa a situação de fiéis que ignorando o risco insistiam em comparecer aos cultos religiosos. Já em Porto Alegre, promotores e procuradores de Justiça investigam se a redução na oferta de linhas de transporte coletivo expôs passageiros e provocou contaminações. Como se pode ver, há muito trabalho a ser feito.

No âmbito legal, a Lei 13.969/2020 publicada logo no início de fevereiro pelo Governo Federal já estabelecia regras como o isolamento, a quarentena e a realização compulsória de exames e testes laboratoriais. Muito embora a legislação brasileira proteja o direito de ir e vir, no caso específico trata-se da preservação da vida e, portanto, deve prevalecer o princípio da supremacia do interesse público sobre o privado. Estado de Emergência ou Calamidade Pública: independentemente de como a chamemos, o momento exige conscientização e colaboração de todos. Estamos diante de uma pandemia contra a qual somente unidos e organizados teremos chance de triunfar.

Na contramão dessa sintonia mundial, surpreende que, mesmo diante de uma grave pandemia de escala exponencial, cujo auge potencial de alcance no Brasil ainda é um mistério, ainda existam algumas poucas pessoas que se recusem a cooperar. No Distrito Federal, por exemplo, tão logo surgiam os primeiros casos de contaminação, foi preciso a intervenção do Judiciário para determinar que um homem, de 45 anos, que acompanhava a esposa internada com coronavírus, se submetesse ao exame. Casos semelhantes ocorreram em outras localidades e foi preciso o Ministério da Saúde emitir recomendação de isolamento e até de internação compulsória — essa última, por meio de Portaria assinada em parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, prevê a aplicação das penas dos artigos 268 e 330 do Código Penal a quem descumprir as regras de prevenção.

Ao fim, qual lição poderemos tirar do susto com essa pandemia? Impressiona o fato de como um microorganismo, que surgiu de modo tão inesperado, pode ter um poderio de magnitude letal sobre a humanidade. Nesse período, assistimos nos telejornais a imagens de ruas desertas em cidades pelo mundo. As cenas silenciavam um grito de socorro quase incompreensível. De fato, levou pouco tempo até que a covid-19 nos atingisse em praticamente todos os pilares. Do seu surgimento em dezembro passado até o momento, o novo coronavírus interrompeu serviços; provocou circuit breaker, travando operações em bolsa de valores; impôs o total isolamento. O vírus pôs fim a centenas de vidas e nos deixou vazios de respostas.

Há, porém, uma certeza: o combate à covid-19 provocou também uma comunhão de forças entre os diferentes agentes sociais, em particular os profissionais da saúde, que reconhecidamente têm dedicado todos os esforços para atender a todos os pacientes. Servidores públicos e profissionais de diversos setores que deixaram as famílias em casa e seguiram a rotina diária, encarando todos os riscos com a finalidade de atender aos cidadãos.

Assim como no livro que depois virou filme, o povo brasileiro se vê na obrigação de adotar essa espécie de autoexílio domiciliar. Fica a expectativa para saber se o Estado terá condições de oferecer a assistência mínima necessária no que diz respeito à atenção com a saúde — direito garantido na Constituição Federal. De fato, quando a Lei Complementar nº 75/1993 previu atribuições como a “proteção dos interesses individuais indisponíveis, difusos e coletivos”, certamente abarcou uma gama extensa de ações, que o órgão exercerá com todo afinco durante o enfrentamento da pandemia. Como se pode ver, agora, mais do que nunca, o MP se mantém alerta no acompanhamento do cumprimento das medidas de prevenção ao vírus e de atendimento à população. Nossos promotores e procuradores de Justiça estão se somando a essa rede de solidariedade, construindo um Ministério Público forte para todos os cidadãos.

*Manoel Murrieta é promotor de Justiça do Estado do Pará e presidente eleito da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) e coordenador da Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas). É pós-graduado em Direito Ambiental e Políticas Públicas pelo Núcleo de Altos Estudos da Amazônia (Naea/Ufpa) e professor de Processo Penal na Escola Superior Madre Celeste (Esmac/PA)

Gostou deste artigo?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por email!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM

ASSOCIAÇÕES AFILIADAS



 

CONAMP Informa

CONAMP Notícias

Quer ainda mais novidades? Assine nossa newsletter!

Loading, please wait..